alla Filosofia Dialogica, Letteratura, Relazioni Internazionali, Scienze Interculturali, Diritti Umani, Diritto Civile e Ambientale, Pubblica Istruzione, Pedagogia Libertaria, Torah, Kabballah, Talmude, Kibbutz, Resistenza Critica e Giustizia Democratica dell'Emancipazione.



ברוך ה"ה







martedì 12 dicembre 2017

DIREITO E LITERATURA, Pietro N-Dellova (Universidade Federal Fluminense)



UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
DIREITO
DIREITO E LITERATURA
Prof. Pietro Dellova
 
EMENTA: palavra e verdade, o aedo, hesíodo e homero. literatura e religião. passagem do direito divino para o direito profano. o teatro na antiguidade clássica. modernidade e rupturas. a literatura em tempo de guerra. o apelo literário. a literatura enquanto intervenção no cenário político.
 
PROGRAMA:
 
  1. Noção de DHAVAR e POIESIS como expressões substanciais. Noção de EMUNAH, ALETHEIA e VERITAS, como expressões da verdade, respectivamente, hebraica, grega e latina. O Poeta.
 
  1. Literaturas Hebraica, Grega e Latina
 
    1. Hebraica:
      1. Mitos de Lilith (a primeira mulher), Caim (o primeiro homem pós-Éden: a prostituta e as imagens do bem e do mal. Um pouco mais da mulher (Cântico dos Cânticos)
      2. Uma reflexão sobre o ensaio Imagens do Bem e do Mal de Martin Buber e o Direito Penal
      3. A tradução dos textos hebraicos: aspecto de Ruach HaElohim (masculino ou feminino?)
         
    1. Grega:
      1. Homero: Themis
      2. Hesíodo: Dikè
      3. Saphos: emancipação feminina
      4. Teatro grego: Prometeu Acorrentando e Antígone
      5. Um pouco do Jardim de Epicuro (contra Platão e Aristóteles)
      6. Um pouco da Paidéia
         
    1. Latina
      1. Virgílio: Eneida (um mundo entre Tróia e Roma)
      2. Horácio
      3. Alguma coisa de Cícero e Quintiliano
      4. FAS e IUS: religião e direito
      5. um pouco da Cidade Antiga: fogo sagrado e o ius
         
  1. Bíblia: Literatura ou Religião?
    1. Equívoco de concepção e de tradução: reflexos no direito
 
  1. O Diabo: desenvolvimento de uma ideia e de um conceito: o pacto fáustico: da Idade Média a Goethe; de Goethe a Fernando Pessoa
 
    1. O Livro de Jó
    2. Fausto de Goethe e Noite na Taverna de Álvares de Azevedo
    3. Heteronímia e o anarquismo: pluralismo/horizontalidade/pulverização
 
  1. Retratos do Brasil: Carta de Pero Vaz de Caminha: ufanismo e questão indígena
    1. José de Anchieta
    2. Cia de Jesus (jesuítas) e a Educação quadrificada e retilínea no Brasil
    3. Frei Vicente do Salvador e o Tratado sobre o Brasil, de 1630
 
  1. Barroco tardio: Gregório de Matos Guerra: crítica. Antonio Vieira.
 
  1. Arcadismo tardio: Tomás Antonio Gonzaga e o seu Direito Natural. Claudio Manoel da Costa e suas Cartas Chilenas
 
  1. Romantismo: Álvares de Azevedo e suas Cartas: o Ensino Jurídico do Largo de São Francisco
 
  1. Escravidão:
 
    1. Conexões entre Castro Alves (crítica à Igreja), José Bonifácio e sua Carta à Assembléia Constituinte e Joaquim Nabuco (e seu O Abolicionismo)
    2. Augusto Teixeira de Freitas e seu Esboço de Código Civil
    3. Uma Carta de José de Alencar apresentando Castro Alves a Machado de Assis e ao Rio de Janeiro
 
  1. Cenas urbanas:
    1. Raul Pompéia: O Ateneu: sociedade e moradia
    2. Machado de Assis: Dom Casmurro: a mulher
 
  1. A Semana de Arte Moderna: os modernismos: rompimento e reinvenção
    1. Anarquismo modernista: Mario de Andrade
    2. Redescoberta do regional: Guimarães Rosa
 
  1. Poesia nordestina: João Cabral de Melo Neto e sua Morte e Vida Severina. Jorge de Lima e a Poesia militante de esquerda
 
  1.  Alfredo Bosi: Constituições Federais, Literatura e Educação
 
  1. Sindicalismo Libertário e Literatura
 
    1. A grande greve anarquista de 1917: conexões com o CC/16
    2. Gianfrancesco Guarnieri: Eles Não Usam Black-tie
    3. Vinicius de Moraes: Operário em Construção


giovedì 7 dicembre 2017

AFRICA E DIREITOS HUMANOS: Palestra com Prof. Dr. José Gil Vicente (Gil Wa-Nhamymba)



AFRICA E DIREITOS HUMANOS:
Palestra com Prof. Dr. José Gil Vicente
(Gil Wa-Nhamymba)

Organização:
Marcus Fabiano Gonçalves
e Raquel Boechat

A guerrilha da FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique) insere-se no contexto das chamadas “guerras coloniais portuguesas”. Melhor se fossem chamadas de “guerras descoloniais”. Conquistada a independência de Portugal em 1975, Moçambique experimentou governos de inspiração marxista e alinhamento soviético que mergulharam o país em uma profunda crise estrutural. Com Índices de Desenvolvimento (IDH) baixíssimos e uma multiplicidade cultural invejável, Moçambique conta com 14 línguas de suas autodenominadas tribos, além do Português como idioma oficial. Com imensa diversidade étnica e religiosa, o país agora vive a invasão pela Igreja Universal de Edir Macedo, entre outros problemas. Desde a proibição do tráfico negreiro ao norte do Equador, em 1815, Moçambique passou a fornecer cativos bantus para o sistema escravista, deixando assim sua marca na cultura e na miscigenação brasileiras. Essas e muitas outras questões sobre Moçambique e as desigualdades no continente Africano serão discutidas na conferência do Prof. Dr. Gil Wa-Nhamymba (José Gil Vicente), pesquisador do Desenvolvimento e da Educação, com passagens pela ONU (Unesco) e diversas universidades de prestígio".

 

Texto de Marcus Fabiano


domenica 26 novembre 2017

ANTROPOLOGIA JURÍDICA: UMA CONTRIBUIÇÃO SOB MÚLTIPLOS OLHARES. SP: Editora Scortecci, 2017, 404 pp (direção e organização: Pietro Nardella Dellova)


Pietro Nardella-Dellova
Rita Ribeiro Voss
Marcelino Conti
Napoleão Miranda
Ana M. Motta Ribeiro e Thaís M. Lutterback S. Azevedo
Ivan de Oliveira Silva
George Augusto Niaradi e Lívia Carolina G. dos Santos
Marcus Fabiano Gonçalves
Willis Santiago Guerra e Paola Cantarini
Décio Sanchis
Paulo Roberto Iotti Vecchiatti
Alexandre Leone
Thiago Hayakawa
Ênio José da Costa Brito
Pietro Nardella-Dellova
Luís Carlos Valois
Ricardo Prestes Pazello
Wilson Madeira
Rodolfo Lobato e Emmanuel Oguri
José Antonio Callegari
Jorge Enrique Carvajal Martínez
Sidnei Barreto Nogueira
Tereza Cristina Ribeiro
Wagner de Oliveira Rodrigues
Luís Renato Vedovato
Massimiliano Verde
Rafaela Barkay
Moara Crivelente
Maria Fernanda Vomero
Abdel Rahman Abu Hwas
Pietro Nardella-Dellova
Edmundo Lima de Arruda Jr.

 Pietro Nardella-Dellova

Rita Ribeiro Voss

 

 Marcelino Conti

Napoleão Miranda

 Ana M. Motta Ribeiro
 Thaís M. Lutterback S. Azevedo

Ivan de Oliveira Silva

George Augusto Niaradi 

Marcus Fabiano Gonçalves

 Willis Santiago Guerra 
Décio Sanchis

Paulo Roberto Iotti Vecchiatti

Alexandre Leone

 
Thiago Hayakawa


Ênio José da Costa Brito

Luís Carlos Valois

Ricardo Prestes Pazello

Wilson Madeira

Emmanuel Oguri

  
Jorge Enrique Carvajal Martínez


Sidnei Barreto Nogueira

Tereza Cristina Ribeiro


Wagner de Oliveira Rodrigues


Luís Renato Vedovato


Massimiliano Verde


Rafaela Barkay


Moara Crivelente

Maria Fernanda Vomero


Abdel Rahman Abu Hwas

Edmundo Lima de Arruda Jr.

Paola Cantarini
José Antonio Callegari

Rodolfo Lobato

 

ANTROPOLOGIA JURÍDICA: 
UMA CONTRIBUIÇÃO SOB MÚLTIPLOS OLHARES. 
SP: Editora Scortecci, 2017, 404 pp

Introdução.....11

PARTE I

1 Histórico da Antropologia, conceituação e áreas de estudo........13
Pietro Nardella-Dellova

2. As escolas do pensamento antropológico.....22
Rita Ribeiro Voss

3 O conceito antropológico de cultura: natureza e classificação....49
Marcelino Conti

4 Estrutura e qualidade de culturas....57
Napoleão Miranda

5 Processos culturais........74

5.1 Sociedade humana: uma discussão sobre a importância da diversidade cultural e social como base do pensamento crítico e antropológico-jurídico..74
Ana M. Motta Ribeiro e Thaís M. Lutterback S. Azevedo

5.2 Cérbero à espreita: cultura do medo e modo urbano......96
Ivan de Oliveira Silva

5.3 Encontro de culturas em âmbito internacional.....102
George Augusto Niaradi e Lívia Carolina G. dos Santos

6 Homem: da carne à linguagem – ensaio antropoético.....106
Marcus Fabiano Gonçalves

7 Origem das sociedades: aspectos antropológicos.......123
Willis Santiago Guerra e Paola Cantarini

8 Origem das sociedades: famílias e sistemas de parentesco...140

8.1 Famílias gregas: a família na Grécia Antiga...140
Décio Sanchis

8.2 Da homossexualidade à homoafetividade: dos gregos à contemporaneidade...146
Paulo Roberto Iotti Vecchiatti

PARTE II

9 A religião: pertencimento, conflitos, sacrifícios e vingança...173

9.1 Antropologia e as relações entre Religião, Direito e Democracia...173
Alexandre Leone

9.2 A religião: uma visão propositiva..187
Thiago Hayakawa

9.3 Religiosidade brasileira: a lenta constituição de um campo de pesquisa...202
Ênio José da Costa Brito

9.4 Histórico mítico-antropológico da violência, do desejo mimético e do modo sacrificial..207
Pietro Nardella-Dellova

9.5 Sistema prisional e suas origens na vingança..226
Luís Carlos Valois

PARTE III

10 Consolidação da antropologia jurídica: campo da antropologia jurídica..235
Ricardo Prestes Pazello

11 Senso jurídico e sentimento pelo justo...248

11.1 Senso de justiça e sentimentos do justo: a jornada do louco..248
Wilson Madeira

11.2 Superando a (im)parcialidade...263
Rodolfo Lobato e Emmanuel Oguri

12 Fenômeno jurídico: Ethos e razão humana..271
José Antonio Callegari

13 Positivismo y pluralismo jurídico..275
Jorge Enrique Carvajal Martínez

PARTE IV

14 Temas emergentes e multifacetados para uma compreensão antropológica..285

14.1 Africanidades, indígenas e povos tradicionais.....285

14.1.1 Africanidades....285
Sidnei Barreto Nogueira

14.1.2 Indígenas: problemas com seus direitos..302
Tereza Cristina Ribeiro

14.1.3 Povos tradicionais: invisibilidade?.312
Wagner de Oliveira Rodrigues

14.2 Processos migratórios: visão internacional..317

14.2.1 Os direitos do migrante e os antagonismos....317
Luís Renato Vedovato

14.2.2 Europa: da continente di emigrazione a continente di immigrazione...323
Massimiliano Verde

14.3 Olhares críticos sobre o conflito Israel-Palestina...338

14.3.1 Algumas contribuições da teoria feminista para a transformação do conflito israelense-palestino...338
Rafaela Barkay

14.3.2 Breves conceitos e práticas da prolongada ocupação da Palestina por Israel...343
Moara Crivelente

14.3.3 Aspectos discursivo-ideológicos da questão palestina..348
Maria Fernanda Vomero

14.3.4 A questão palestina no olhar de um palestino...353
Abdel Rahman Abu Hwas

14.3.5 Uma proposta para Israel e Palestina: dois povos, dois Estados..362
Pietro Nardella-Dellova

Conclusão – Ou, a título de considerações finais: notas sobre cultura, crítica e círculos corporativos....367
Edmundo Lima de Arruda Jr.

Referências bibliográficas.....375

Direção, organização e coautorias....395

giovedì 16 novembre 2017

Palestra e Lançamento do Livro ANTROPOLOGIA JURÍDICA: UMA CONTRIBUIÇÃO SOB MÚLTIPLOS OLHARES






PORTELA, GIRO E RISO (Pietro Nardella-Dellova)


PORTELA, GIRO E RISO
(Pietro Nardella-Dellova)

Vou entrar no samba, avenida aberta,
Com pés, e pernas, corpo e coração,
Vou levar minha Poesia, livre e liberta,
E cantar meu povo, povos, migração,

É nela que vou: Portela!

Com os tamborins feitos no deserto
E nas terras distantes, além do mar,
E nos refúgios, aqui, ali, longe, perto,
Portando uma canção de fogo e ar,

É nela que vou: Portela!

Porque estamos vivos para a dança,
De qualquer carne, vivos para alegria,
E para derrubar as fronteiras avança,
Gira, roda, canta, sua e verte Poesia:

É nela que vou: Portela!

Vou dançar minha Poesia anarquista
E milênios de ir e vir, não ficar, rir, viver,
No corpo e alma, espírito hedonista,
E dançar, e dançar, girar até amanhecer...

É nela que vou: Portela!

(Pietro Nardella-Dellova, in "Na Portela em 2018")